Flexible Home Layout

ECONOMIA

CUITEGI

FOTOS

EMPREGOS

Video

POLITICA

Até maio deste ano, 47 ocorrências já foram registradas. Perto do que foi registrado em 2012, com 52 atentados. Esse índice saltou para 138%, em 2013 e colocou a PB com maior número de crimes a bancos no país

Os atentados a bancos nas regiões metropolitanas e no interior da Paraíba têm desafiado a capacidade de inibição ao crime organizado e a inteligência da polícia. As ações, cada vez mais ousadas, destroem agências bancárias e assustam a população das cidades atingidas. Esses municípios, muitas vezes, dependem dos serviços da única agência instalada na cidade para efetuar as transações bancárias. O resultado da falta de segurança revolta não só os moradores, mas gera insatisfação também dos que operam no serviço e estão expostos à criminalidade.

O Sindicato dos Bancários da Paraíba realiza o mapeamento dos crimes envolvendo agências em todo o estado. Até a sexta-feira (9), 47 ocorrências haviam sido registradas. Sendo elas 17 explosões, seis assaltos, 13 arrombamentos, cinco tentativas de arrombamento e seis abordagens nas saidinhas de banco. Proporcionalmente, a maioria dos atentados ocorreu no Sertão paraibano. As cidades de Jericó, São Vicente do Seridó, Cacimba de Areia, São José de Espinharas e Aguiar foram alguns dos alvos dos bandidos. Em segundo lugar, as cidades do Cariri, como Caraúbas, Livramento e Gurjão. E a menor incidência de explosões a agências bancárias foram registradas nas regiões do Agreste e do Brejo.

Para se ter uma ideia de como este tipo de crime tem avançado nos últimos três anos, em 2012, foram contabilizados 52 ataques a bancos envolvendo explosões. Em 2013, esse número saltou para 124 ocorrências. Representando um dado alarmante para todo o estado, que viu de janeiro a novembro de 2013 crescer 138,4% o número de ataques a bancos. O que colocou a Paraíba na condição de estado brasileiro com o maior número de atentados no país.

A ousadia dos bandidos é uma característica que tem sido apontada como a principal necessidade a ser enfrentada com estratégia pela polícia. Devido ao fraco número de efetivo para policiamento e diante da facilidade em acessar o dinheiro, as quadrilhas têm se especializado.

O caso mais conhecido e que gerou repercussão nacional foi o do município de Princesa Isabel, há 419 quilômetros de João Pessoa. Quando 15 assaltantes explodiram simultaneamente dois bancos e fizeram reféns dentro das agências. Na fuga, eles espalharam objetos perfurantes pelo trajeto para dificultar a ação da polícia.

Em 2013, uma declaração do secretário estadual de Segurança Pública revoltou os trabalhadores dos bancos. Claudio Coelho Lima afirmou que a culpa pelas frequentes explosões era das próprias empresas que administravam o serviço, que não investiam “nem dentro e nem fora das agências”.

A polêmica gerada em torno do assunto, à época, levou o secretário a pedir desculpas pelo caos na Segurança Pública, e ainda admitir a falta de policiais nas delegacias. Na Polícia Civil, aproximadamente 300 policiais pediram dispensa em 2013 para realizar tratamento de saúde.

Com a falta de agentes na segurança pública e a crescente sensação de impunidade que se vê diante de tantos atentados, a população se questiona sobre quais medidas estão sendo adotadas para eliminar os riscos de novas explosões a agências bancárias e ver a prisão dos acusados pelos crimes. Quando a insegurança sobrepõe a ação dos agentes públicos, remete-se aos órgãos fiscalizadores a função de observar aonde e porquê estão ocorrendo estes equívocos.

Redação: Por Stefanny Marques
3
0 Comentários

Postar um comentário