Flexible Home Layout

ECONOMIA

CUITEGI

FOTOS

EMPREGOS

Video

POLITICA

Em uma das ocorrências, o crime estava relacionado ao tráfico de drogas; as demais são investigadas pela polícia; nenhum suspeito foi preso

A Paraíba viveu horas de muita violência entre a tarde desse domingo (31) e a madrugada desta segunda-feira (1º). Cinco homicídios foram registrados, sendo dois em João Pessoa, dois em Campina Grande e um em Bayeux, na região metropolitana da Capital.

Na noite deste Domingo (30), por volta das 19h45, um jovem que teria envolvimento com o tráfico de drogas foi executado dentro da residência dele no bairro da Imaculada, em Bayeux.

Segundo informações da 4ª Companhia Independente da Polícia Militar, a vítima teria uma dívida de aproximadamente R$ 5 mil. Dois suspeitos, que seriam rivais no tráfico, teriam cometido o crime e fugido para destino não identificado.

Em Campina Grande, a 112 km de João Pessoa, no bairro da Catingueira, ainda durante a tarde, um adolescente de 16 anos morreu após sofrer três disparos de arma de fogo no meio da rua, na região do tórax. O suspeito estaria trafegando em uma moto de cor preta.

Uma guarnição da PM esteve no local, encontrando a vítima já sem vida. A polícia ainda não havia apurado detalhes do crime. O local foi isolado momentaneamente e o corpo foi direcionado ao Instituto Médico Legal da cidade.

No Bairro das Cidades, também em Campina, um jovem de 23 anos sofreu cinco disparos enquanto dirigia um automóvel Kadett. Ele perdeu o controle do veículo e colidiu com o muro de uma residência. 

Em João Pessoa, um menor de 14 anos, segundo o tenente Alvino, do 5º Batalhão da Polícia Militar, foi executado com seis tiros, sendo 3 na cabeça, na noite de domingo. O crime ocorreu no condomínio Anayde Beiriz, na entrada do Bairro das Indústrias, Zona Oeste da Capital. A PM ainda não sabe as motivações do crime, nem há informações se a vítima tinha envolvimento com a criminalidade.

No fim da madrugada de segunda, um homem foi morto com dois disparos no Bairro João Paulo II. Segundo Alvino, o instituto de Polícia Científica ainda realizava os trabalhos de identificação e ainda não havia fornecido dados conclusivos à PM.

Por Redação
3
0 Comentários

Postar um comentário