Flexible Home Layout

ECONOMIA

CUITEGI

FOTOS

EMPREGOS

Video

POLITICA

Medida foi aprovada pelo Plenário da Câmara e seguirá para análise do Senado
Gustavo Lima/Câmara
Análise e discussão da Medida Provisória 672/15, que mantém as atuais regras de reajuste do salário mínimo para o período de 2016 a 2019. Dep. José Guimarães (PT-CE)
Guimarães: é preciso responsabilidade com as contas da Previdência
O líder do governo, deputado José Guimarães (PT-CE), afirmou que a presidente Dilma Rousseff vetará a proposta que estende a política de valorização do salário mínimo para as aposentadorias e pensões acima de um salário. A medida foi aprovada na noite desta quarta-feira por meio de emenda à Medida Provisória 672/15 e prevê reajuste de acordo com a reposição da inflação e a taxa de crescimento da economia nos dois anos anteriores.
Segundo o líder, o dispositivo será vetado caso seja aprovado pelo Senado e siga para sanção da presidente.
"É muito fácil vir aqui fazer um discurso em defesa do aposentado, sem ter minimamente responsabilidade com as contas da Previdência. Querem quebrar a Previdência? Não pode ser desse jeito, eu tenho responsabilidade com o País, com o equilíbrio das contas públicas e, principalmente, com a Previdência. Da forma que essa emenda foi aprovada, não há outro caminho a não ser o veto", disse Guimarães.
Nova proposta
Já o deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) comemorou a aprovação. Ele ressaltou que, como a emenda das aposentadorias fez alterações também no texto que tratava do salário mínimo, para vetar um, será preciso vetar o outro, perdendo, assim, todo o conteúdo da medida.
"Ganhamos uma partida, mas não ganhamos ainda o campeonato. É lógico que a gente sabe que o governo deve vetar essa matéria. E eles, se vetarem, têm que mandar uma nova proposta pra cá, porque, da forma que eu apresentei a emenda, ela está incorporada no artigo 1º, é o texto principal da medida provisória. Portanto, não dá pra vetar só essa parte dos aposentados. Vai ter que vetar tudo e vir com uma nova política salarial para os aposentados", disse Faria de Sá.


3
0 Comentários

Postar um comentário