Flexible Home Layout

ECONOMIA

CUITEGI

FOTOS

EMPREGOS

Video

POLITICA

Patricia Janaina Hornburg



No ambiente de trabalho costumeiramente nos deparamos com a competitividade entre os profissionais, com metas a atingir buscando uma promoção, ou mesmo o simples reconhecimento pelo trabalho desempenhado, mas e quando o reconhecimento não chega e as cobranças só aumentam, vêm o sentimento de desvaloração, desânimo, esgotamento físico e mental, o que chamamos de síndrome de burnout.

Burn out é um termo inglês que significa ser consumido/queimado pelo trabalho e entre seus sintomas estão o esgotamento físico e mental, ausências no trabalho, mudanças bruscas de humor, baixa autoestima, depressão, ansiedade, dores de cabeça, cansaço, sudorese, palpitações. O ápice da síndrome ocorre quando o sujeito não consegue realizar suas atividades cotidianas, apresentando crises de choro e ansiedade diante do trabalho. Porém é importante que o diganóstico seja realizado com base no tempo e na sintomatologia apresentada.

Quanto a sua origem, autores defendem que Burnout se manifesta devido a forma pela qual o indivíduo encara as situações vivenciadas no ambiente de trabalho, bem como o fato deste meio não favorecer e reconhecer o uso de suas potencialidades e seu desenvolvimento integral, isto é, desfavorável aos cuidados consigo mesmo, onde necessidades básicas como alimentação, sono e lazer ficam relegadas a segundo plano, favorecendo o adoecimento do funcionário.

Profissionais que atuam como médicos, professores, assistentes sociais, psicólogos, funcionários públicos, enfermeiros, bombeiros, comerciários, operadores de telemarketing estão mais favoráveis ao desenvolvimento da síndrome, devido a interação ativa e direta com outras pessoas, cuidando ou auxiliando na solução de problemas.

O tratamento inicia-se após a estafa, quando o indivíduo fica impossibilitado de exercer suas atividades cotidianas como anteriormente, devido a despersonalização, onde de fato o sujeito torna-se outra pessoa, marcado por quadro depressivo. Faz-se então a associação medicamentosa, para controlar os sintomas juntamente com a psicoterapia que auxilia na ressignificação do sentido do trabalho pelo sujeito.

Fonte e imagem: http://www.psiconlinews.com/
3
0 Comentários

Postar um comentário