Flexible Home Layout

ECONOMIA

CUITEGI

FOTOS

EMPREGOS

Video

POLITICA

País reduziu o número de alunos sem conhecimento de matemática, mas continua entre os 10 últimos


Fonte: Correio Braziliense (DF)



Ministério da Educação, apesar do baixo desempenho, ressaltou que Alunos brasileiros melhoraram em matemática

Apesar de um pequeno avanço na redução no número de Alunos sem conhecimentos básicos de matemática, o Brasil ainda é um dos últimos colocados no ranking que avaliou o rendimento Escolar na disciplina, em leitura e em ciência. O levantamento divulgado ontem pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômicos (OCDE) avaliou 13 milhões de estudantes com resultados ruins nos três quesitos em uma lista de 64 países. Mesmo com uma melhora na taxa de Escolarização e acesso à Educação, o país ficou em 58º lugar.

O estudo Alunos de baixo desempenho: por que ficam para trás e como ajudá-los? é uma nova análise do último Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA), publicado em 2013, com dados de 2012. De acordo com a OCDE, o número de Alunos brasileiros na faixa de 15 anos que estava abaixo do nível de conhecimentos básicos em matemática caiu 18%, entre 2003 e 2012. O país está entre os que mais avançaram no quesito, passando de 356 para 391 pontos no período analisado. Mesmo assim, permanece abaixo da média de 494 pontos definida pela OCDE.

Na análise da superintendente da ONG Todos Pela Educação, Alejandra Velasco, é bom ver que o país está reduzindo aos poucos as desigualdades na Educação, mas não dá para comemorar. “O nível educacional ainda está muito abaixo do aceitável e melhorar a Educação continua sendo um grande desafio”, comenta. Para a especialista, a avaliação ruim não é surpreendente, já que, nos últimos anos, a Avaliação Nacional do Rendimento Escolar (Prova Brasil) tem demonstrado cada vez menos avanços. “Nem o Índice de Desenvolvimento da Educação básica (Ideb), que não é muito ambicioso, os municípios estão conseguindo cumprir. A Educação tem de ser pensada como um investimento estratégico para o país.”

No PISA, são escalonados seis níveis, que evoluem de acordo com o grau de dificuldade das perguntas. Segundo os dados, 67,1% dos Alunos brasileiros com 15 anos estão abaixo do nível 2 em matemática e somente 0,8% atingiram os níveis 5 e 6. A organização afirma que estudantes que ficam abaixo do nível 2 terão dificuldades na Escola e, mais tarde, no mercado de trabalho, e poderão não ascender socialmente.

Um dos destaques do estudo para solucionar o desempenho Escolar é o apoio em sala de aula. Para a OCDE, Docentes que dão mais atenção e mantêm altas expectativas em relação aos Alunos fazem a diferença. O Professor de matemática Pedro Felippe Araújo concorda, mas ressalta a importância da parceria com os pais. “A gente percebe muita diferença. É o xeque-mate do aprendizado quando o jovem tem o apoio dos pais em casa.” O Professor tem notado uma maior motivação dos Alunos em relação à disciplina, em especial, depois que foi criada a Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP), em 2005.

Avanço
Em reposta, o Ministério da Educação (MEC) ressaltou que, de acordo com os últimos dados do Pisa, os estudantes brasileiros foram os que mais avançaram em matemática, no período entre 2003 e 2012, quando o desempenho passou de 356 para 391 pontos. O MEC salientou que o país também reduziu em 18% o total de Alunos abaixo do nível mínimo em matemática na avaliação. A pasta reconheceu, no entanto, que, mesmo considerando tais avanços, ainda há muito o que fazer para continuar o processo de inclusão e de melhoria da Educação básica no Brasil.
Matéria publicada apenas em veículo impresso
3
0 Comentários

Postar um comentário